(Washington, DC) -- A Organização de Estados Americanos (OEA) deveria agir rapidamente para impulsar o re-estabelecimento da democracia em Honduras após um golpe militar, a HumanRights Watch declarou hoje.

 

O golpe de estado aconteceu esta manhã, quando membros das forças armadas de Honduras supostamente detiveram o presidente democraticamente eleito Jose Manuel Zelaya.  A Human Rights Watch pediu que a OEA aplicasse urgentemente a Carta Democrática à situação em Honduras.

 

"A OEA tem um papel fundamental nesse momento.  Ela tem que encontrar rapidamente uma solução multilateral a essa ruptura com a democracia em Honduras," disse José Miguel Vivanco, director da divisão das Américasda Human Rights Watch.  "Permitir que esse golpe de estado permaneça seria um grande retrocesso no progresso em direção à democracia na região nas últimas décadas."

 

Na América Latina, a Human Rights Watch disse, o aumento na proteção dos direitos humanos tem caminhado lado a lado com o fortalecimento da democracia.

 

De acodo com relatos da imprensa tensões entre Zelaya eas forças armadas e a Corte Suprema vem aumentando durante toda a semana. Zelaya teria convocado uma consulta popular a nível nacional hoje sobre vários temas, incluindo a possibilidade de estabelecer uma assembléia constituinte para modificar a Constituição para deixar o presidente concorrer a um outro mandato.  As forças armadas se opuseram à consulta que a Corte Suprema do país teria declarado ilegal.

 

"Qualquer que seja o tamanho da complexidade e profundidade da polarização política no país, problemas políticos tem que ser abordados através de meios democráticos, não através da força," disse Vivanco.