A Human Rights Watch constatou que as crianças com albinismo na província moçambicana de Tete, no centro do país, são amplamente discriminadas, estigmatizadas e muitas vezes rejeitadas na escola, na comunidade e, por vezes, por suas próprias famílias.