O Brasil não solucionou os já antigos problemas de direitos humanos que permitiram que a epidemia de Zika se intensificasse, deixando sua população vulnerável a futuros surtos e a outros graves riscos de saúde pública. Em maio de 2017, o governo declarou o fim da emergência para o vírus Zika – mas sua ameaça no Brasil permanece.