Skip to main content

Carta à União Europeia sobre o acordo UE-Mercosul

Vossas Excelências,

Escrevemos para compartilhar nossas preocupações em relação à crise ambiental e de direitos humanos na Amazônia brasileira. Apelamos para que o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul não seja considerado para ratificação até que o Brasil demonstre estar preparado para cumprir seu compromisso com a preservação da floresta e seu dever de proteger as pessoas que ali vivem. Nós acreditamos que a União Europeia (UE) deve estabelecer parâmetros concretos para avaliar se, e quando, o Brasil estará pronto para cumprir essas obrigações.

acordo comercial, cuja negociação foi concluída em 2019, dispõe que seus signatários devem respeitar o Acordo de Paris sobre o clima e combater o desmatamento. No caso do Brasil, esses compromissos são os mesmos: sob o Acordo de Paris, o Brasil se comprometeu a eliminar o desmatamento ilegal até 2030. No entanto, as políticas atuais do presidente Jair Bolsonaro estão em conflito direto com esses compromissos e têm agravado a crise na Amazônia, resultando em mais desmatamento ilegal, não menos.

O Brasil já foi líder global em conservação florestal. Entre 2004 e 2012, um esforço conjunto do governo e da sociedade brasileira—incluindo comunidades indígenas, grupos ambientalistas e empresas privadas—produziu uma redução de 80 por cento no desmatamento na Amazônia. Porém, depois de 2012, cortes no orçamento e retrocessos nas políticas públicas enfraqueceram os órgãos de fiscalização ambiental do Brasil e o desmatamento voltou a crescer.

A retomada do desmatamento foi impulsionada em grande parte por violentas redes criminosas, contra as quais o governo Bolsonaro tem, vergonhosamente, fracassado em proteger os brasileiros, como é seu dever. O Relatório de 2019 da Human Rights Watch, “Máfias do Ipê: Violência e Desmatamento na Amazônia”, documentou como essas máfias ameaçam, atacam e matam agentes ambientais, membros de comunidades indígenas e outros moradores locais que procuram defender a floresta. Os assassinos raramente são levados à justiça. Até que o Brasil avance no combate à violência e à impunidade que afetam os defensores da floresta, é provável que a destruição da Amazônia continue sem freios.

Desde que assumiu o cargo em janeiro de 2019, o Presidente Jair Bolsonaro tem, na prática, escolhido o lado dessas máfias, conforme documentado pela Human Rights Watch. Ele adotou políticas que sabotam os já enfraquecidos órgãos de proteção do meio ambiente e dos direitos indígenas e tem buscado marginalizar os grupos ambientalistas do país. Não supreende que o desmatamento tenha aumentado mais de 80 por cento no ano passado — de acordo com dados preliminares do Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (DETER), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e continue aumentando neste ano. Igualmente, não surpreende que as ameaças contra os defensores da floresta também tenham aumentado.

A União Europeia tem amplos motivos para apoiar tantos os brasileiros que se empenham em defender as leis que protegem a floresta tropical do país. Cientistas afirmam que a aceleração do desmatamento está levando a Amazônia mais rapidamente a um "ponto de inflexão" irreversível, quando deixará de servir como uma área natural de armazenamento de dióxido de carbono—uma das principais substâncias impulsionadoras da mudança climática—e, em vez disso, passará a liberar grandes quantidades de gases de efeito estufa. O resultado agravará a crise climática que ameaça tanto os europeus quanto os brasileiros. Além disso, o Acordo Verde Europeu estabelece que a UE deve garantir que sua política comercial reduza o desmatamento em suas cadeias de produção e contribua para os esforços globais de contenção das mudanças climáticas.

Há um debate considerável sobre, em que medida, o acordo UE-Mercosul pode contribuir para o alcance dos objetivos do Acordo Verde Europeu, especialmente, porque suas disposições ambientais não estabelecem sanções em casos de não cumprimento. Entretanto, o que está claro é que Bolsonaro está desmantelando a capacidade do Brasil de cumprir esses compromissos — e acelerando a velocidade do "ponto de inflexão", quando seu cumprimento pode tornar-seimpossível. Se a UE pretende defender seus próprios compromissos ambientais e apoiar os brasileiros que estão lutando para salvar a floresta, agora é a hora de agir, antes que Bolsonaro possa causar mais estragos.

A UE, o Parlamento Europeu e os Estados membros da UE devem enviar uma mensagem clara e categórica ao presidente Bolsonaro: a ratificação do acordo comercial não será considerada até o governo brasileiro demonstrar que está preparado para cumprir seus compromissos ambientais. Para essa avaliação, a UE deve estabelecer parâmetros claros e verificáveis, com base em ações e resultados concretos, e não em planos ou propostas. Esses parâmetros devem levar em conta os problemas interrelacionados no centro da crise da Amazônia: a violência e o desmatamento.

Especificamente, a ratificação do acordo comercial UE-Mercosul não deve ser considerada até que o Brasil demonstre:

  1. Progresso substancial no combate à impunidade em casos de violência relacionada ao desmatamento ilegal, medida pelo número de casos investigados, processados ​​e levados a julgamento[1]; e
  2. Progresso na redução efetiva das taxas de desmatamento na Amazônia, suficiente para colocar o país no caminho certo para cumprir sua meta de eliminar todo desmatamento ilegal até 2030[2], nos termos do Acordo de Paris.

Além disso, a União Europeia deve monitorar de perto as políticas e iniciativas legislativas promovidas pelo governo brasileiro, que possam incentivar invasões de territórios indígenas ou comprometer a proteção da floresta amazônica e os direitosde seus habitantes.

A ratificação do acordo UE-Mercosul, sem que o governo brasileiro demonstre avanço real no enfrentamento à crise na Amazônia, prejudicará a credibilidade do compromisso da União Europeia em desenvolver relações comerciais que respeitem o meio ambiente e protejam o clima como previsto no Acordo Verde Europeu.

Com nossos mais elevados votos de estima e consideração,

Lotte Leicht

Diretora de Advocacy da HRW junto à UE

Maria Laura Canineu

Diretora da HRW no Brasil

Daniel Wilkinson

Diretor de Meio Ambiente e Direitos Humanos

 

[1] Dada a falta de informações oficiais sobre a violência contra os defensores da floresta na Amazônia brasileira, uma base de referência para avaliar o progresso no combate à impunidade deve ser os números fornecidos pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), uma organização não governamental afiliada à Igreja Católica. A CPT registrou mais de 200 assassinatos entre 2015 e 2019 no contexto de conflitos pelo uso da terra e de recursos naturais na Amazônia—muitos por pessoas envolvidas em desmatamento ilegal—dos quais apenas 8 foram a julgamento. 

[2] Qualquer esforço para atingir essa meta por meio de relaxamento da definição atual de desmatamento ilegal deve ser considerado uma violação quebra desse compromisso. 

Your tax deductible gift can help stop human rights violations and save lives around the world.

Região/País