Líderes políticos dispostos a defender os princípios de direitos humanos mostraram que é possível frear as agendas populistas autoritárias, afirmou a Human Rights Watch hoje no lançamento de seu Relatório Mundial 2018, que faz um balanço dos eventos do ano passado. Quando estes líderes contaram com públicos mobilizados e com uma cooperação multilateral efetiva, acabaram por provar que a ascensão dos governos com uma plataforma contra direitos não é algo inevitável. No Relatório Mundial, de 643 páginas (na versão completa em inglês), em sua 28ª edição, a Human Rights Watch analisa a situação dos direitos humanos em mais de 90 países. No capítulo introdutório, o diretor executivo, Kenneth Roth, destaca que quando líderes enfrentam ativamente aqueles políticos que demonizam minorias, atacam os direitos humanos e atuam para enfraquecer as instituições democráticas, os avanços populistas se veem limitados. Mas onde a mensagem de ódio e exclusão encontra apoio político, os populistas prosperam.