O governo venezuelano tem sistematicamente se utilizado de tratamento brutal contra manifestantes críticos ao governo e opositores políticos, incluindo tortura. Membros das forças de segurança espancaram pessoas detidas severamente e os torturaram com choques elétricos, asfixia, agressão sexual e outras técnicas brutais. As forças de segurança também fizeram uso desproporcional da força contra pessoas nas ruas, além de terem arbitrariamente detido e processado opositores do governo. Embora não tenha sido a primeira repressão à dissidência sob a administração de Nicolás Maduro, a extensão e a gravidade da repressão em 2017 atingiram níveis nunca vistos na história recente da Venezuela.