Rússia: Dê Fim à Perseguição a Gays na Chechênia

A polícia da Chechênia, uma república no sul da Rússia sob administração de Ramzan Kadyrov, está detendo homens percebidos como homossexuais, mantendo-os em centros de detenção secretos, espancando-os e humilhando-os. A HRW conduziu entrevistas em primeira mão com vítimas dessa campanha contra homossexuais promovida pela polícia e autoridades de segurança da Chechênia.

Transcript

Desde o final de fevereiro, policiais e autoridades de segurança chechenos, sob o comando de Ramzan Kadyrov – líder da República Chechena que, com a aprovação do Kremlin, têm governado a Chechênia há quase uma década como se fosse seu próprio feudo – vêm detendo homossexuais como parte de uma aparente "limpeza anti-gay". Uma limpeza sancionada pela administração Chechena.

As vítimas são levadas para centros de detenção ilegais. Nesses centros de detenção ilegais, eles são espancados, eletrocutados e, sob tortura, são forçados a fornecer nomes de outros indivíduos gays. E foi assim que dezenas e dezenas de homens, provavelmente mais de 100, foram detidos. Alguns desses indivíduos desapareceram à força. Outros foram devolvidos aos seus familiares depois de passarem um tempo em detenção, e suas famílias foram humilhadas por terem homossexuais entre seus parentes, e foram efetivamente encorajadas pelas autoridades chechenas a conduzirem homicídios em defesa da honra.

Agora, diante desta situação devastadora, o que precisa ser feito é que os principais interlocutores internacionais da Rússia pressionem o Kremlin a pôr um fim definitivo a essa perseguição a gays para que a cesse de uma vez por todas. Nós fazemos um apelo aos governos ocidentais para que façam o possível para oferecer refúgio às vítimas em seus respectivos territórios, já que essas pessoas não estão seguras na Rússia.