#TodosConVenezuela

Solidariedade ao povo venezuelano

A Venezuela enfrenta uma crise humanitária e de direitos humanos que o governo do presidente Maduro nega acontecer. O governo de Nicolás Maduro reprime brutalmente a dissidência, enquanto a escassez severa de alimentos e de remédios faz com que seja quase impossível para muitos venezuelanos alimentarem seus filhos e terem acesso a cuidados de saúde mais básicos. As taxas de mortalidade infantil estão aumentando. Segundo o jornal New York Times, a desnutrição severa tem levado centenas de crianças à morte. Alguns líderes da região têm manifestado preocupação, enquanto outros têm adotado uma posição ambígua ou pior, têm se mantido em silêncio. É hora de nos mobilizarmos e dizer a Maduro: basta!

19 de abril marca o aniversário do primeiro grande protesto que foi brutalmente reprimido. Mostre seu apoio ao povo venezuelano.

MOBILIZE-SE JÁ

O ícone da música latina, Ricardo Montaner, e a Human Rights Watch estão juntos na mobilização no Twitter. Faça parte dessa ação e mostre seu apoio. Quer fazer mais? Siga as instruções abaixo e ajude essa mensagem a chegar mais longe: #TodosConVenezuela

FAÇA PARTE DA MUDANÇA HOJE

TWITTER

E COMPARTILHE

FACEBOOK

WHATSAPP

O que diz Ricardo Montaner

Ricardo Montaner é um cantor e compositor nascido na Argentina. Tendo começado sua carreira no final dos anos 1970, ele já lançou mais de 23 álbuns com muitas músicas de sucesso e já vendeu mais de 23 milhões de discos em todo o mundo. Ele se mudou para a Venezuela ainda quando criança e lá cresceu depois que seus pais tiveram que fugir de uma ditadura militar na Argentina. Ele agora empresta sua voz para promover a mudança. Assista ao vídeo abaixo e como ele diga: não aturaremos um dia a mais enquanto nossos vizinhos venezuelanos passam fome.

Ricardo Montaner e Human Rights Watch lançam campanha pela Venezuela

Os latino-americanos e seus governantes devem levantar suas vozes e cobrar o governo do presidente Nicolás Maduro para que reconheça e enfrente a devastadora crise de direitos humanos e humanitária na Venezuela.

Use sua voz no Twitter, os líderes precisam escutar

Presidente da República Dominicana
Danilo Medina
Medina, que assumiu o cargo em 2012, tem se envolvido ativamente nos esforços para mediar o “diálogo” entre o governo venezuelano e a oposição. Esse “diálogo”, cujos resultados não foram significativos, não reconheceu a responsabilidade do governo de Maduro na crise política, social e econômica na Venezuela. Ao mesmo tempo, a República Dominicana não esteve presente nas discussões regionais ou nas declarações do Grupo de Lima condenando a crise humanitária e de direitos humanos na Venezuela e se absteve em vários votos no âmbito da Organização dos Estados Americanos para a adoção de resoluções sobre o assunto.

Presidente do Equador
Lenín Moreno

Desde que assumiu o cargo em 2017, em um radical afastamento das posições de seu antecessor, Rafael Correa, Moreno manifestou preocupação com a existência de presos políticos na Venezuela. No entanto, a política externa do Equador em relação à Venezuela, em essência, permaneceu a mesma. O Equador não esteve presente nas discussões regionais ou nas declarações do Grupo de Lima condenando a crise humanitária e de direitos humanos na Venezuela e se absteve em vários votos no âmbito da Organização dos Estados Americanos para a adoção de resoluções sobre o assunto.

Presidente de El Salvador
Salvador Sánchez Cerén

Desde que assumiu o cargo em 2014, Sánchez Cerén tem abertamente defendido Nicolás Maduro e suas políticas, inclusive a recente criação de uma Assembleia Constituinte pró-governo que usurpou os poderes da legislatura eleita, cuja maioria é composta pela oposição. El Salvador não esteve presente nas discussões regionais ou nas declarações do Grupo de Lima condenando a crise humanitária e de direitos humanos na Venezuela e se absteve em vários votos no âmbito da Organização dos Estados Americanos para a adoção de resoluções sobre o assunto.